Sobre                        Contato                        Arquivo

O legado de FHC

Cristiano Romero, Valor Econômico, 22/09/10

Tornou-se um esporte nacional, há exatos 11 anos, falar mal do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A se levar a sério o que é dito, seu governo foi um dos piores da história. O sucesso de público do governo Lula reforçou a zombaria. Hoje, até os aliados de FHC desistiram de defendê-lo. O ex-presidente parece não ter seguidores dentro do próprio partido, o PSDB. O que todos fingem esquecer é que o Brasil vive hoje, em grande medida, do legado de Fernando Henrique.

Como ministro da Fazenda, FHC fez o Plano Real, que debelou a hiperinflação. Não é pouco. A estabilidade de preços é um ativo político de valor incomparável, especialmente num país que sofreu por décadas com o infortúnio da inflação. Não foi à toa que deu a FHC duas vitórias presidenciais no primeiro turno. O presidente Lula descobriu, rapidamente, o valor da estabilidade. Em seu primeiro mandato, também deu prioridade ao combate à inflação, mas jamais comemorou o aniversário do real - em 2004, fez chegar a grandes empresários que não via com bons olhos a celebração da data.

FHC saneou o sistema financeiro nacional. Com a queda abrupta dos índices de preços, grandes bancos perderam receita inflacionária e fecharam as portas. A desconfiança dos depositantes era tanta que, se não fosse o mal-afamado Proer, a quebradeira poderia ter se generalizado. Hoje, Lula e seus ministros se orgulham do fato de o sistema bancário brasileiro ter atravessado, quase incólume, a pior crise financeira em 80 anos.

Governo Lula não é a antítese da gestão Fernando Henrique

Fernando Henrique quebrou os monopólios estatais, criou agências independentes para regular os setores liberalizados e privatizou estatais. Não fez isso por razões ideológicas, mas por necessidade. Desde a crise da dívida, no início dos anos 80, o Estado brasileiro perdera a capacidade de investir. Era continuar drenando recursos para as estatais ou aplicá-los em áreas essenciais, como saúde e educação.

Tome-se o exemplo da Vale. Entre 1943, ano de sua fundação, e 1997, quando foi privatizada, a empresa investiu, em média, US$481 milhões por ano, e teve lucro líquido de US$192 milhões. De 1998 a 2009, investiu US$6,1 bilhões e lucrou US$4,6 bilhões. As exportações saltaram de US$1,1 bilhão para US$7,7 bilhões. O retorno para a sociedade foi além - o recolhimento de impostos pulou de US$31 milhões para US$1,093 bilhão por ano.

Na telefonia, em 1997, um ano antes da privatização, havia 21,5 milhões de telefones fixos e celulares no país, 13,4 por cada 100 habitantes. Em 2009, eram 215,4 milhões, com densidade de 112,1 por 100 habitantes. No caso da Petrobras, FHC não a privatizou, mas, ao abrir seu capital em 2001, tirou-a do marasmo, além de beneficiar milhares de trabalhadores, que usaram o FGTS para comprar ações da empresa. Nos cinco anos anteriores à abertura de capital, a estatal investia US$5 bilhões, em média, por ano. Em 2008, aplicou US$29 bilhões.

Hoje, tanto a Vale quanto a Petrobras são estrelas reluzentes do capitalismo brasileiro. O presidente Lula admira tanto as duas que costuma brincar com assessores, dizendo que, depois da presidência da República, gostaria de comandar a Petrobras; no caso da Vale, seu desejo é influir na gestão.

FHC reorganizou as finanças dos Estados. Em 1997-1998, renegociou suas dívidas. No ano 2000, sancionou a Lei de Responsabilidade Fiscal. Privatizou a maioria dos bancos estaduais, fechando um ralo por onde escorriam bilhões de reais em desperdício e corrupção. Os três marcos foram fundamentais para sanear as contas dos governos estaduais, que nos anos recentes recuperaram, inclusive, a capacidade de investir.

Na área social, FHC universalizou o ensino fundamental, promoveu avanços na saúde e criou os programas de transferência de renda, que, na gestão Lula, foram unificados no Bolsa Família. Reformou ainda a previdência social e criou o fator previdenciário, dificultando a concessão de aposentadorias a quem tem menos de 50 anos.

Disseminou-se a ideia de que FHC perdeu popularidade porque quebrou os monopólios estatais, privatizou e mudou as regras de aposentadoria. Essa percepção não encontra abrigo nas evidências. Números do Datafolha mostram que, entre 1995 e 1998, a popularidade de FHC variou pouco nas faixas de ótimo/bom e regular - ambas sempre em torno de 40%. A rejeição esteve sempre abaixo de 20%, com exceção do fim de 1998, quando chegou a 25%.

FHC perdeu apoio popular quando o governo, no primeiro mês do segundo mandato, foi forçado a desvalorizar o real. Aquilo foi entendido pela população como uma quebra de confiança e uma ameaça à estabilidade. No seu pior momento, em setembro de 1999, apenas 13% dos brasileiros consideravam seu governo bom ou ótimo; 56% o rejeitavam.

A desvalorização foi o reflexo de um equívoco - a manutenção do real valorizado de maneira artificial por muito tempo, contrariando, inclusive, as opiniões de setores do governo. Outro grande erro foi ter proposto ao Congresso a emenda da reeleição, tirando proveito da mudança em benefício próprio - isso não invalida a importância da reeleição, mas o correto teria sido aprová-la para entrar em vigor no governo seguinte. Pode-se mencionar ainda a falta de planejamento que levou ao apagão.

A perda de popularidade de FHC fez com que os adversários espalhassem a ideia de que seu governo foi um desastre, o que, como se vê, está longe de ser verdade. Tudo passou a ser condenado, mesmo aquilo que, na época em que foi feito, tenha sido aprovado pela maioria da população, como de fato ocorreu. Trata-se de uma das maiores mistificações da história do país, afinal, o Brasil vive hoje, com razoável grau de satisfação, dentro do legado construído por FHC. Um legado aprovado pela população e seguido por Lula.

política · fhc, lula
Enviar   Imprimir   Fonte

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


Lost in edition

Lendo o título e subtítulo e olhando a foto desta matéria da Economist, dá para pensar que a baixa produtividade da economia tem a ver com a preguiça do trabalhador brasileiro. No texto, a história é outra.

Discutindo a relação

Irene Ravache e Dan Stulbach vibrando e fazendo vibrar uma casa lotada com Meu Deus!, de uma israelense chamada Anat Gov.

De volta às bravatas

De 180 países, 112 cresceram mais que o Brasil em 2012-2013. Inclusive a maioria dos países da América Latina.

Cesáreas forçadas

Qualquer manifestação que rompa o silêncio das autoridades e profissionais da saúde sobre esse a frequência absurda das cesáreas é benvinda.

Flores da clandestinidade

O enfraquecimento político da igreja e o empoderamento das mulheres engrossaram o véu da clandestinidade sobre as escapadas dos padres. No escuro, desejos mais exóticos desabrocharam.

Fisiologismo sem cerimônia

Se nem os aliados do governo no Congresso acreditam nas promessas de austeridade fiscal, imagine o mercado.

Apocalypse soon

Riram quando James Lovelock apresentou a chamada hipótese de Gaia - que a terra é um superorganismo auto-regulado. Hoje, quase todos os cientistas levam a sério suas ideias. Nós também deveríamos.

Esperando acampado

No que depender da boa consciência de Raquel Rolnik, o vão livre do Masp vai continuar acurado por moradores de rua por tempo indeterminado.

Xô, censura

As falas e caras meio encabuladas comprovam: nossos artistas são bem melhores em verso do que em prosa.

Indevassável

Dilma quer saber o que o público acha dela, mas não quer que o público saiba o que ela descobrir.

Pequeno

Chico Buarque diz que os artistas, apesar de famosos, são "pequenos" na briga contra biografias não autorizadas. Uma coisa parece certa: não tem perigo de ele sair dessa briga maior do que entrou.

Sem novidade

Filme já visto e triste: o corporativismo a serviço do atraso, em desserviço da Petrobras e do país.

Tiro na perna

Como o capitalismo vai funcionar sem um mínimo de confiança das pessoas e organizações na proteção dos seus dados e, principalmente, dos seus ativos?

Pesos e medidas

Joaquim Barbosa deu dois argumentos para aumentar os salários dos ministros do STF e de todos os juízes: a remuneração dos colegas de Singapura e a realidade econômica do Brasil. O primeiro é anedótico. O segundo deve ser olhado com mais cuidado.
Mais posts