Sobre                        Contato                        Arquivo

O legado de FHC

Cristiano Romero, Valor Econômico, 22/09/10

Tornou-se um esporte nacional, há exatos 11 anos, falar mal do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A se levar a sério o que é dito, seu governo foi um dos piores da história. O sucesso de público do governo Lula reforçou a zombaria. Hoje, até os aliados de FHC desistiram de defendê-lo. O ex-presidente parece não ter seguidores dentro do próprio partido, o PSDB. O que todos fingem esquecer é que o Brasil vive hoje, em grande medida, do legado de Fernando Henrique.

Como ministro da Fazenda, FHC fez o Plano Real, que debelou a hiperinflação. Não é pouco. A estabilidade de preços é um ativo político de valor incomparável, especialmente num país que sofreu por décadas com o infortúnio da inflação. Não foi à toa que deu a FHC duas vitórias presidenciais no primeiro turno. O presidente Lula descobriu, rapidamente, o valor da estabilidade. Em seu primeiro mandato, também deu prioridade ao combate à inflação, mas jamais comemorou o aniversário do real - em 2004, fez chegar a grandes empresários que não via com bons olhos a celebração da data.

FHC saneou o sistema financeiro nacional. Com a queda abrupta dos índices de preços, grandes bancos perderam receita inflacionária e fecharam as portas. A desconfiança dos depositantes era tanta que, se não fosse o mal-afamado Proer, a quebradeira poderia ter se generalizado. Hoje, Lula e seus ministros se orgulham do fato de o sistema bancário brasileiro ter atravessado, quase incólume, a pior crise financeira em 80 anos.

Governo Lula não é a antítese da gestão Fernando Henrique

Fernando Henrique quebrou os monopólios estatais, criou agências independentes para regular os setores liberalizados e privatizou estatais. Não fez isso por razões ideológicas, mas por necessidade. Desde a crise da dívida, no início dos anos 80, o Estado brasileiro perdera a capacidade de investir. Era continuar drenando recursos para as estatais ou aplicá-los em áreas essenciais, como saúde e educação.

Tome-se o exemplo da Vale. Entre 1943, ano de sua fundação, e 1997, quando foi privatizada, a empresa investiu, em média, US$481 milhões por ano, e teve lucro líquido de US$192 milhões. De 1998 a 2009, investiu US$6,1 bilhões e lucrou US$4,6 bilhões. As exportações saltaram de US$1,1 bilhão para US$7,7 bilhões. O retorno para a sociedade foi além - o recolhimento de impostos pulou de US$31 milhões para US$1,093 bilhão por ano.

Na telefonia, em 1997, um ano antes da privatização, havia 21,5 milhões de telefones fixos e celulares no país, 13,4 por cada 100 habitantes. Em 2009, eram 215,4 milhões, com densidade de 112,1 por 100 habitantes. No caso da Petrobras, FHC não a privatizou, mas, ao abrir seu capital em 2001, tirou-a do marasmo, além de beneficiar milhares de trabalhadores, que usaram o FGTS para comprar ações da empresa. Nos cinco anos anteriores à abertura de capital, a estatal investia US$5 bilhões, em média, por ano. Em 2008, aplicou US$29 bilhões.

Hoje, tanto a Vale quanto a Petrobras são estrelas reluzentes do capitalismo brasileiro. O presidente Lula admira tanto as duas que costuma brincar com assessores, dizendo que, depois da presidência da República, gostaria de comandar a Petrobras; no caso da Vale, seu desejo é influir na gestão.

FHC reorganizou as finanças dos Estados. Em 1997-1998, renegociou suas dívidas. No ano 2000, sancionou a Lei de Responsabilidade Fiscal. Privatizou a maioria dos bancos estaduais, fechando um ralo por onde escorriam bilhões de reais em desperdício e corrupção. Os três marcos foram fundamentais para sanear as contas dos governos estaduais, que nos anos recentes recuperaram, inclusive, a capacidade de investir.

Na área social, FHC universalizou o ensino fundamental, promoveu avanços na saúde e criou os programas de transferência de renda, que, na gestão Lula, foram unificados no Bolsa Família. Reformou ainda a previdência social e criou o fator previdenciário, dificultando a concessão de aposentadorias a quem tem menos de 50 anos.

Disseminou-se a ideia de que FHC perdeu popularidade porque quebrou os monopólios estatais, privatizou e mudou as regras de aposentadoria. Essa percepção não encontra abrigo nas evidências. Números do Datafolha mostram que, entre 1995 e 1998, a popularidade de FHC variou pouco nas faixas de ótimo/bom e regular - ambas sempre em torno de 40%. A rejeição esteve sempre abaixo de 20%, com exceção do fim de 1998, quando chegou a 25%.

FHC perdeu apoio popular quando o governo, no primeiro mês do segundo mandato, foi forçado a desvalorizar o real. Aquilo foi entendido pela população como uma quebra de confiança e uma ameaça à estabilidade. No seu pior momento, em setembro de 1999, apenas 13% dos brasileiros consideravam seu governo bom ou ótimo; 56% o rejeitavam.

A desvalorização foi o reflexo de um equívoco - a manutenção do real valorizado de maneira artificial por muito tempo, contrariando, inclusive, as opiniões de setores do governo. Outro grande erro foi ter proposto ao Congresso a emenda da reeleição, tirando proveito da mudança em benefício próprio - isso não invalida a importância da reeleição, mas o correto teria sido aprová-la para entrar em vigor no governo seguinte. Pode-se mencionar ainda a falta de planejamento que levou ao apagão.

A perda de popularidade de FHC fez com que os adversários espalhassem a ideia de que seu governo foi um desastre, o que, como se vê, está longe de ser verdade. Tudo passou a ser condenado, mesmo aquilo que, na época em que foi feito, tenha sido aprovado pela maioria da população, como de fato ocorreu. Trata-se de uma das maiores mistificações da história do país, afinal, o Brasil vive hoje, com razoável grau de satisfação, dentro do legado construído por FHC. Um legado aprovado pela população e seguido por Lula.

política · fhc, lula
Enviar   Imprimir   Fonte

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


A volta do formador de opinião

A classe média no sofá, de fato, não muda opinião de ninguém. A classe média aos milhões na rua muda muito. É só ver onde a popularidade de Dilma, Lula e seu partido foi parar depois dos protestos.

Terceiras vias

Não duvido que exista uma maioria social conservadora no Brasil. Mas duvido que ela venha a desembocar numa terceira via política. Acho mais fácil que desague em diferentes partidos, existentes ou que venham a ser criados.

Sozinha

63% dos que estavam na manifestação da Av. Paulista na sexta-feira, 13 acham que Dilma Rousseff sabia do Petrolão.

Contrição

Ricardo Berzoini, em entrevista à Folha de S.Paulo, admitiu: - Nosso erro foi termos nos comunicado mal.

Depenada

Se e quando vier o impeachment, será só para tirar o cargo de Dilma. O poder ela está perdendo dia a dia, numa velocidade espantosa.

FHC não vê saída

"Nós já vimos outras fases assim, quando os governos vão cozinhando em fogo brando. A novidade é que a sociedade esta mais inquieta, mais ativa. Se os partidos e os líderes políticos não responderem, eles perdem força."

Dilma agora pede razões para o ‪‎impeachment‬

Aí vão três: ela sabia do Petrolão e não fez nada para parar; 2) ela se beneficiou do esquema como candidata e fachada de Lula; 3) ela não as mínimas condições de reverter o desastre econômico que ela e Lula provocaram.

A lista de Moro

Por falar em organização criminosa, lembrem-se que o chefão não entrou na lista do Janot porque não precisava. Como ex-presidente, ele não tem fôro privilegiado.

Lambe e morde

Lula e sua turma recorrem ao mesmo método que usaram no mensalão para plantar dúvidas e confusão no campo do adversário.

Duas perguntas

Pelo menos duas suspeitas, se comprovadas, podem dar base legal ao impeachment de Dilma: Ela sabia do petrolão? Foi beneficiada?

Alívio ou maldição?

Dilma foi excluída da lista de Janot, não por falta de indícios de culpa, mas por uma tecnicalidade: enquanto for presidente, ela não pode ser investigada por atos anteriores ao seu mandato.

Grosseira

Dá para entender por que Dilma se incomodou com a declaração de Joaquim Levy sobre o fim de desonerações tributárias. Foi ela que promoveu as tais desonerações. Mas como desfaze-las sem admitir que foram mal feitas?

A Grécia vai ou fica?

A União Européia impôs à Grécia sacrifícios insuportáveis. Mas abrir negociação com o novo governo grego pode ter um efeito-demonstração complicado, agravando a incerteza sobre o futuro do Euro. Justiça, nesses casos, não costuma ser a maior preocupação de quem detém o poder

Um pouco de socialismo real

Tony Judt, em Postwar, cap. XVIII, p. 579, descreve as engrenagens da derrocada econômica do bloco soviético.
Mais posts