Sobre                        Contato                        Arquivo

Capital da acerola

Xico Graziano, O Estado de S. Paulo, 06/10/09

Pequenina, de um vermelho vivo encantador, a acerola fascina os nutricionistas. Seu elevado teor de vitamina C vence fácil o famoso suco de laranja. Mais interessante, porém, é conhecer a história dos seus fruticultores, lá no interior paulista. Exemplo de empreendedorismo rural.

Tudo começou em 1990. O município de Junqueirópolis, situado na Nova Alta Paulista, procurava novos caminhos de desenvolvimento, após um período desanimador. Acreditando na força da união, um grupo de 44 pequenos produtores rurais se associou para trabalhar em conjunto. Começava a mudar sua história.

Boa parte do Oeste Paulista abriu seus territórios à expansão agropecuária após a grande crise do café, ocorrida em 1929-1930. Quebrada a economia exportadora da época e perdida a hegemonia da oligarquia cafeeira, novos atores entravam em cena. As crises econômicas, sempre, ao derrubar alguns, abrem oportunidades a outros.

Nessa transição da economia paulista, lavouras e pastagens avançaram sobre os cerrados da região central do Estado, tomando Bauru como referência. A mancha de ocupação se expandiu rumo ao Rio Paraná, devastando extensas áreas de florestas nativas, um golpe de misericórdia nas populações indígenas. Os ramais da estrada de ferro emprestaram seu nome às recentes regiões, especialmente a Sorocabana (Presidente Prudente) e a Paulista (Marília).

Nessa época, entre as décadas de 1940 e 1950, o carro-chefe da economia rural era puxado pelo algodão. Ciclo anual, exigente em fertilidade e susceptível às pragas e doenças, aquela cotonicultura baseada em incipiente tecnologia gerava riqueza tanto quanto empobrecia o solo. Vieram as erosões no terreno, criando terríveis voçorocas, assoreando os córregos.

Nada, porém, segurava o ritmo do progresso. O ramal da Paulista ultrapassou Marília e seguiu rumo a Mato Grosso, o trem servindo como ponta de lança para a exploração daquela paisagem ondulada. Junqueirópolis inaugurou sua estação em 1959, nesse momento já interessado no escoamento da produção dos seus cafezais, cultura que retornou com força após a euforia do algodão.

Pode-se afirmar que a Nova Alta Paulista prosperou até a década de 1970, basicamente, e desgraçadamente, roubando a fertilidade natural do solo, acumulada por séculos de decomposição orgânica nas intocáveis florestas que ostentava. Seguia, assim, o padrão tradicional da expansão da fronteira agrícola.

Seguiu-se uma lenta tragédia econômica. Crises de mercado somaram-se ao esgotamento dos solos. Geadas e secas terríveis assolaram o campo. Pragas e doenças surgiram nas lavouras. Chegou o êxodo rural, levando milhares de agricultores a deixarem suas terras à procura da esperança. A região perdeu população e se empobreceu.

Mas do desânimo generalizado se acendeu uma luz. Surgia a Associação Agrícola de Junqueirópolis, agrupada, inicialmente, pelo interesse na venda do maracujá, cultivo bom naqueles dias. Depois, pesquisando alternativas de produção, descobriram-se as vantagens da acerola. Contando com ajuda dos agrônomos da Casa da Agricultura, iniciou-se a nova jornada. O governo estadual contribuiu com tratores e equipamentos. Resultado: em cinco anos o município passou a ser conhecido como a “capital da acerola”. Uma história fantástica.

A evolução tecnológica dos fruticultores não cessa. Nesta semana, durante as festividades da 11ª Aceruva, a Associação Agrícola de Junqueirópolis recebe, com ajuda do Sebrae, o certificado do GlobalGap, o mais importante selo de qualidade, mundialmente reconhecido, direcionado ao comércio europeu. Boas práticas agrícolas, respeito ao meio ambiente, trabalho valorizado. Mercado garantido.

As deliciosas acerolas de Junqueirópolis correm o mundo, principalmente destinadas ao Japão e à Europa. Da produção total da fruta, cerca de 60% segue exportada, em polpa congelada, para a fabricação de sorvetes, sucos, cremes e demais guloseimas. Boa parte dos 175 hectares cultivados com acerola no município atende ao mercado interno in natura, incluindo alguns programas, ainda incipientes, de merenda escolar. Na colheita da fruta, durante meses, ocupam-se 500 pessoas. Fartura no emprego rural.

Fruta recentemente descoberta pelo mercado, a acerola, também conhecida como cereja das Antilhas, surpreende os consumidores em razão do seu elevado teor de vitamina C, que chega a ser cem vezes maior que o encontrado no limão ou na laranja. Para se ter uma ideia, apenas duas frutinhas por dia suprem o organismo humano desse nutriente elementar. Espanta a gripe.

Se Vasco da Gama, navegador português, soubesse disso, não teria perdido tantos tripulantes em sua viagem à procura da rota marítima para as Índias. O escorbuto, terrível doença resultante da grave deficiência orgânica de vitamina C, causou a morte de milhares de europeus na época dos descobrimentos. Hoje bastaria um copo de suco de acerola para curar o sangramento nos porões dos navios.

Histórias de sucesso dependem de pessoas. A trajetória bem-sucedida da Associação Agrícola de Junqueirópolis não vingaria sem o idealismo do seu líder, o agricultor Oswaldo Dias. Quieto, como bom caboclo, curioso, como gente inteligente, ele persistiu até convencer os seus pares a fugirem da descrença, investindo em organização e tecnologia. Hoje, passadas quase duas décadas, ele se orgulha das realizações coletivas, que, agora, aglutinam 67 lutadoras famílias rurais. A atitude proativa devolveu a todos, como diz, “a alegria de ser agricultor”. Autoestima.

O otimista pode errar, mas o pessimista já começa errando. Quem afirmou foi Juscelino Kubitschek.

Valeu para os agricultores de Junqueirópolis.

Xico Graziano, agrônomo, é secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. E-mail: xico@xicograziano.com.br
Site: www.xicograziano.com.br

economia ·
Enviar   Imprimir   Fonte

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


Olho na urna

Na mesma medida em que a derrota do PT vai ficando mais provável, a oposição deveria olhar com mais cuidado a segurança do sistema eletrônico de votação.

Não entre nessa fria

Boas ideias de Aécio Neves em entrevista à Folha. Com uma exceção importante: cinco anos de mandato para todos os cargos com coincidência de mandatos é ruim.

Deu chabu

O Brasil já gastou R$ 918 milhões numa parceria com a Ucrânia para o lançamento de satélites, sem perspectivas de lançar um traque sequer.

Lost in edition

Lendo o título e subtítulo e olhando a foto desta matéria da Economist, dá para pensar que a baixa produtividade da economia tem a ver com a preguiça do trabalhador brasileiro. No texto, a história é outra.

Discutindo a relação

Irene Ravache e Dan Stulbach vibrando e fazendo vibrar uma casa lotada com Meu Deus!, de uma israelense chamada Anat Gov.

De volta às bravatas

De 180 países, 112 cresceram mais que o Brasil em 2012-2013. Inclusive a maioria dos países da América Latina.

Cesáreas forçadas

Qualquer manifestação que rompa o silêncio das autoridades e profissionais da saúde sobre esse a frequência absurda das cesáreas é benvinda.

Flores da clandestinidade

O enfraquecimento político da igreja e o empoderamento das mulheres engrossaram o véu da clandestinidade sobre as escapadas dos padres. No escuro, desejos mais exóticos desabrocharam.

Fisiologismo sem cerimônia

Se nem os aliados do governo no Congresso acreditam nas promessas de austeridade fiscal, imagine o mercado.

Apocalypse soon

Riram quando James Lovelock apresentou a chamada hipótese de Gaia - que a terra é um superorganismo auto-regulado. Hoje, quase todos os cientistas levam a sério suas ideias. Nós também deveríamos.

Esperando acampado

No que depender da boa consciência de Raquel Rolnik, o vão livre do Masp vai continuar acurado por moradores de rua por tempo indeterminado.

Xô, censura

As falas e caras meio encabuladas comprovam: nossos artistas são bem melhores em verso do que em prosa.

Indevassável

Dilma quer saber o que o público acha dela, mas não quer que o público saiba o que ela descobrir.

Pequeno

Chico Buarque diz que os artistas, apesar de famosos, são "pequenos" na briga contra biografias não autorizadas. Uma coisa parece certa: não tem perigo de ele sair dessa briga maior do que entrou.
Mais posts