Sobre                        Contato                        Arquivo

O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula

José Roberto Afonso, 04/07/04

Para avaliarmos quanto foi de fato o aumento do salário mínimo devemos levar em consideração a variação dos preços entre os períodos onde foi concedido o reajuste do mínimo.

Há consenso de que o melhor índice para medir a variação do custo de vida dos trabalhadores que ganham salário mínimo é o INPC do IBGE.

Levando em consideração tal índice é inequívoco que o Governo FHC obteve melhor performance que o Governo Lula.

Entre maio de 1995 e abril de 2002, o salário mínimo dobrou: passou de R$100,00 para R$200,00. Ou seja, houve um aumento de 100% do mínimo, sem considerar os efeitos da inflação.

Nesse mesmo período, os preços variaram em 67,6%.

Confrontando a variação do salário mínimo com a inflação, verificamos que o aumento nominal do mínimo concedido ao longo de todos os anos do governo FHC (100%) foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em virtude da inflação (67,6%) e ainda sobraram recursos, o que significa que tais trabalhadores tiveram um ganho real de 19,3%.

Já nos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula – em abril de 2003 e maio de 2004 – também foi observado que o aumento nominal do mínimo também foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em razão da inflação, mas o ganho real foi bem modesto se comprado ao proporcionado pelo Governo FHC.

Através dos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula (em abril de 2003 e maio de 2004), o salário mínimo passou de R$200,00 para R$260,00, o que representou um aumento de 30% nominal. Porém, a variação dos preços acumulada no período anterior ao reajuste (entre abril de 2002 e maio de 2004) – 26,77% - foi quase da mesma magnitude do aumento nominal do mínimo, o que significa que os trabalhadores obtiveram um ganho real de salário relativamente pequeno – cerca de 2,55%.

Em resumo, no Governo FHC o salário mínimo, avaliado a preços de maio desse ano, passou de R$212,5 (maio de 1995) para R$253,5 (abril de 2002), o que representou um ganho de 19,3% para os trabalhadores. No Governo Lula, os R$253,5 herdados do último reajuste concedido pelo seu antecessor se transformaram em R$260,00, representando um ganho real de apenas 2,55% para os trabalhadores que ganham salário mínimo.


Gráfico 1
O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula
image
Fonte: Tabela 1


Tabela 1
Os aumentos de salário mínimo nos Governos FHC e Lula

image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
(A) = Inflação acumulada entre os meses de reajuste do mínimo (INPC)
(B) = Aumento nominal do salário mínimo
(C) Aumento Real do salário mínimo


Tabela 1A
Salário Mínimo Nominal e Real nos Governos FHC e Lula
image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
1/ A preços de maio de 2004. Valores atualizados pelo INPC.

economia ·
Enviar   Imprimir  

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


Sozinha

63% dos que estavam na manifestação da Av. Paulista na sexta-feira, 13 acham que Dilma Rousseff sabia do Petrolão.

Contrição

Ricardo Berzoini, em entrevista à Folha de S.Paulo, admitiu: - Nosso erro foi termos nos comunicado mal.

Depenada

Se e quando vier o impeachment, será só para tirar o cargo de Dilma. O poder ela está perdendo dia a dia, numa velocidade espantosa.

FHC não vê saída

"Nós já vimos outras fases assim, quando os governos vão cozinhando em fogo brando. A novidade é que a sociedade esta mais inquieta, mais ativa. Se os partidos e os líderes políticos não responderem, eles perdem força."

Dilma agora pede razões para o ‪‎impeachment‬

Aí vão três: ela sabia do Petrolão e não fez nada para parar; 2) ela se beneficiou do esquema como candidata e fachada de Lula; 3) ela não as mínimas condições de reverter o desastre econômico que ela e Lula provocaram.

A lista de Moro

Por falar em organização criminosa, lembrem-se que o chefão não entrou na lista do Janot porque não precisava. Como ex-presidente, ele não tem fôro privilegiado.

Lambe e morde

Lula e sua turma recorrem ao mesmo método que usaram no mensalão para plantar dúvidas e confusão no campo do adversário.

Duas perguntas

Pelo menos duas suspeitas, se comprovadas, podem dar base legal ao impeachment de Dilma: Ela sabia do petrolão? Foi beneficiada?

Alívio ou maldição?

Dilma foi excluída da lista de Janot, não por falta de indícios de culpa, mas por uma tecnicalidade: enquanto for presidente, ela não pode ser investigada por atos anteriores ao seu mandato.

Grosseira

Dá para entender por que Dilma se incomodou com a declaração de Joaquim Levy sobre o fim de desonerações tributárias. Foi ela que promoveu as tais desonerações. Mas como desfaze-las sem admitir que foram mal feitas?

A Grécia vai ou fica?

A União Européia impôs à Grécia sacrifícios insuportáveis. Mas abrir negociação com o novo governo grego pode ter um efeito-demonstração complicado, agravando a incerteza sobre o futuro do Euro. Justiça, nesses casos, não costuma ser a maior preocupação de quem detém o poder

Um pouco de socialismo real

Tony Judt, em Postwar, cap. XVIII, p. 579, descreve as engrenagens da derrocada econômica do bloco soviético.

Chances do voto distrital

Convergência de José Serra e Michel Temer é bom sinal para as chances do voto distrital. Os dois participaram ontem de um debate sobre reforma política política no Instituto Brasiliense de Direito Público.

Companheiros de viagem

"Você não pode impedir as pessoas de estarem certas pelas razões erradas... Esse medo de se descobrir em más companhias não é uma expressão de pureza política; é uma expressão de falta de autoconfiança"
Mais posts