Sobre                        Contato                        Arquivo

O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula

José Roberto Afonso, 04/07/04

Para avaliarmos quanto foi de fato o aumento do salário mínimo devemos levar em consideração a variação dos preços entre os períodos onde foi concedido o reajuste do mínimo.

Há consenso de que o melhor índice para medir a variação do custo de vida dos trabalhadores que ganham salário mínimo é o INPC do IBGE.

Levando em consideração tal índice é inequívoco que o Governo FHC obteve melhor performance que o Governo Lula.

Entre maio de 1995 e abril de 2002, o salário mínimo dobrou: passou de R$100,00 para R$200,00. Ou seja, houve um aumento de 100% do mínimo, sem considerar os efeitos da inflação.

Nesse mesmo período, os preços variaram em 67,6%.

Confrontando a variação do salário mínimo com a inflação, verificamos que o aumento nominal do mínimo concedido ao longo de todos os anos do governo FHC (100%) foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em virtude da inflação (67,6%) e ainda sobraram recursos, o que significa que tais trabalhadores tiveram um ganho real de 19,3%.

Já nos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula – em abril de 2003 e maio de 2004 – também foi observado que o aumento nominal do mínimo também foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em razão da inflação, mas o ganho real foi bem modesto se comprado ao proporcionado pelo Governo FHC.

Através dos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula (em abril de 2003 e maio de 2004), o salário mínimo passou de R$200,00 para R$260,00, o que representou um aumento de 30% nominal. Porém, a variação dos preços acumulada no período anterior ao reajuste (entre abril de 2002 e maio de 2004) – 26,77% - foi quase da mesma magnitude do aumento nominal do mínimo, o que significa que os trabalhadores obtiveram um ganho real de salário relativamente pequeno – cerca de 2,55%.

Em resumo, no Governo FHC o salário mínimo, avaliado a preços de maio desse ano, passou de R$212,5 (maio de 1995) para R$253,5 (abril de 2002), o que representou um ganho de 19,3% para os trabalhadores. No Governo Lula, os R$253,5 herdados do último reajuste concedido pelo seu antecessor se transformaram em R$260,00, representando um ganho real de apenas 2,55% para os trabalhadores que ganham salário mínimo.


Gráfico 1
O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula
image
Fonte: Tabela 1


Tabela 1
Os aumentos de salário mínimo nos Governos FHC e Lula

image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
(A) = Inflação acumulada entre os meses de reajuste do mínimo (INPC)
(B) = Aumento nominal do salário mínimo
(C) Aumento Real do salário mínimo


Tabela 1A
Salário Mínimo Nominal e Real nos Governos FHC e Lula
image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
1/ A preços de maio de 2004. Valores atualizados pelo INPC.

economia ·
Enviar   Imprimir  

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


Um pouco de socialismo real

Tony Judt, em Postwar, cap. XVIII, p. 579, descreve as engrenagens da derrocada econômica do bloco soviético.

Chances do voto distrital

Convergência de José Serra e Michel Temer é bom sinal para as chances do voto distrital. Os dois participaram ontem de um debate sobre reforma política política no Instituto Brasiliense de Direito Público.

Companheiros de viagem

"Você não pode impedir as pessoas de estarem certas pelas razões erradas... Esse medo de se descobrir em más companhias não é uma expressão de pureza política; é uma expressão de falta de autoconfiança"

Quando o carnaval chegar

O eleitor típico de Dilma a esta hora está em casa, nas áreas mais pobres, menos conectadas do país. O eleitor típico de Aécio está voltando da manifestação de protesto de anteontem ou/e pensando em ir à próxima.

Currículo impecável

Do ponto de vista de Dilma e do PT, José Eduardo Cardozo deve ser mesmo o homem certo para garantir que o escândalo do petrolão seja investigado "doa a quem doer".

Três em um

Num artigo na Folha hoje, "Supremo equívoco", o advogado-geral da União, Luís Adams, conseguiu encaixar três equívocos graves em uma única frase.

Só sob pressão

Se quisermos que o PSDB avance, vamos ter que empurra-lo de fora e de baixo. Vamos, quem? Nós, filiados, simpatizantes, eleitores que não somos políticos nem militantes profissionais.

Cavaleiro da Esperança

A única coisa errada que eu consegui achar no discurso de Aécio Neves no Senado foi o cenário. O Congresso Nacional, infelizmente, virou o túmulo da política.

Torcida organizada

Impressionante como o "spin" do PT e coadjuvantes fucionou bem para torcer o significado do pedido de auditoria dos sistemas eleitorais e das manifestações anti-PT. Impressionante, mas não surpreendente.

La garantia soy yo

É bom que o PSDB e outros partidos acordem e passem a exigir mais transparência do TSE. A burocracia do tribunal, com respaldo dos ministros, impede a auditagem para valer dos sistemas de votação e totalização. A regra democrática, na relação entre poderes, é confiar fiscalizando.

Difamação 2.0

Lula descomposto, puxando o coro de impropérios dos companheiros num comício em Belo Horizonte pode ser o ponto mais baixo desta campanha (ou não: eles ainda têm uma semana para mostrar o seu pior), mas não é um ponto fora da curva.

Apocalipse agora e sempre

Minha mulher sonha em visitar Jerusalém. Eu gostaria de acompanha-la. Mas temos medo de ir. E não temos razão para acreditar que o perigo diminua no nosso tempo de vida.

Olho na urna

Na mesma medida em que a derrota do PT vai ficando mais provável, a oposição deveria olhar com mais cuidado a segurança do sistema eletrônico de votação.

Não entre nessa fria

Boas ideias de Aécio Neves em entrevista à Folha. Com uma exceção importante: cinco anos de mandato para todos os cargos com coincidência de mandatos é ruim.
Mais posts