Sobre                        Contato                        Arquivo

O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula

Para avaliarmos quanto foi de fato o aumento do salário mínimo devemos levar em consideração a variação dos preços entre os períodos onde foi concedido o reajuste do mínimo.

Há consenso de que o melhor índice para medir a variação do custo de vida dos trabalhadores que ganham salário mínimo é o INPC do IBGE.

Levando em consideração tal índice é inequívoco que o Governo FHC obteve melhor performance que o Governo Lula.

Entre maio de 1995 e abril de 2002, o salário mínimo dobrou: passou de R$100,00 para R$200,00. Ou seja, houve um aumento de 100% do mínimo, sem considerar os efeitos da inflação.

Nesse mesmo período, os preços variaram em 67,6%.

Confrontando a variação do salário mínimo com a inflação, verificamos que o aumento nominal do mínimo concedido ao longo de todos os anos do governo FHC (100%) foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em virtude da inflação (67,6%) e ainda sobraram recursos, o que significa que tais trabalhadores tiveram um ganho real de 19,3%.

Já nos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula – em abril de 2003 e maio de 2004 – também foi observado que o aumento nominal do mínimo também foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em razão da inflação, mas o ganho real foi bem modesto se comprado ao proporcionado pelo Governo FHC.

Através dos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula (em abril de 2003 e maio de 2004), o salário mínimo passou de R$200,00 para R$260,00, o que representou um aumento de 30% nominal. Porém, a variação dos preços acumulada no período anterior ao reajuste (entre abril de 2002 e maio de 2004) – 26,77% - foi quase da mesma magnitude do aumento nominal do mínimo, o que significa que os trabalhadores obtiveram um ganho real de salário relativamente pequeno – cerca de 2,55%.

Em resumo, no Governo FHC o salário mínimo, avaliado a preços de maio desse ano, passou de R$212,5 (maio de 1995) para R$253,5 (abril de 2002), o que representou um ganho de 19,3% para os trabalhadores. No Governo Lula, os R$253,5 herdados do último reajuste concedido pelo seu antecessor se transformaram em R$260,00, representando um ganho real de apenas 2,55% para os trabalhadores que ganham salário mínimo.


Gráfico 1
O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula
image
Fonte: Tabela 1


Tabela 1
Os aumentos de salário mínimo nos Governos FHC e Lula

image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
(A) = Inflação acumulada entre os meses de reajuste do mínimo (INPC)
(B) = Aumento nominal do salário mínimo
(C) Aumento Real do salário mínimo


Tabela 1A
Salário Mínimo Nominal e Real nos Governos FHC e Lula
image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
1/ A preços de maio de 2004. Valores atualizados pelo INPC.

Postado por José Roberto Afonso em 04/07/04
economia ·
Enviar   Imprimir  

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


Fruto venenoso

É triste que a república fundada por Benjamin Franklin ainda chafurde no racismo. Pior, um racismo inspirado pelo anti-intelectualismo que contagia grande parte do povo e da elite política americana.

Pecados originais

Os pecados do PT no poder se inspiram no revolucionarismo comunista, no populismo católico e, principalmente, no estatal-corporativismo sindicalista, que estão no DNA do partido.

Vai que é tua, companheiro!

O Estadão adianta que Rui Falcão e seu grupo vão propor uma guinada à esquerda do PT no congresso que começa amanhã. Desejo-lhes boa sorte nisso. E torço para que se inspirem em Paul Singer.

Afronta ao eleitor

Membros do meu partido dizem que Lula, Dilma e o PT "desmoralizaram a reeleição". Outros argumentam que no Brasil a reeleição não dá pé porque o Estado é inchado e o chefe do Executivo tem poderes demais. Não me convencem.

Piorando o imperfeito

A reforma política periga sair como o ajuste fiscal: as autoridades eleitas fazem besteira e mandam a conta para nós, eleitores/contribuintes.

Surpresa!

O PSDB discutiu pouco e nunca resolveu nada sobre reforma eleitoral. Decidir seria difícil, com opiniões tão divididas. Mas, se tivesse discutido, pelo menos não seria surpreendido pelo racha na votação do distritão.

Fachin em campanha

Pelo menos tres empresas especializadas - Medialogue, Pepper, F7 Comunicação - assessoram Fachin em sua campanha para o STF. Na sabatina, segundo editorial da Folha, ele disse não saber quem pagou as empresas.

Política e xadrez

Uma anedota atual e uma citação histórica para quem gosta de comparar a política com o xadrez.

Voto distrital para vereador

Hoje o sistema é inviável financeira e operacionalmente para os candidatos, e ineficiente para o eleitor, já que é muito difícil para ele se orientar com a quantidade de nomes nas listas de candidatos dos partidos. O sistema eleitoral precisa ser um processo mais inteligível e atraente para o eleitor. Para se eleger vereadores, o voto distrital cumpre essa função.

O placar do impeachment

As provas e argumentos jurídicos são importantes, mas o que decide o impeachment, você sabe, são os votos dos deputados e senadores.

A volta do formador de opinião

A classe média no sofá, de fato, não muda opinião de ninguém. A classe média aos milhões na rua muda muito. É só ver onde a popularidade de Dilma, Lula e seu partido foi parar depois dos protestos.

Terceiras vias

Não duvido que exista uma maioria social conservadora no Brasil. Mas duvido que ela venha a desembocar numa terceira via política. Acho mais fácil que desague em diferentes partidos, existentes ou que venham a ser criados.

Sozinha

63% dos que estavam na manifestação da Av. Paulista na sexta-feira, 13 acham que Dilma Rousseff sabia do Petrolão.

Contrição

Ricardo Berzoini, em entrevista à Folha de S.Paulo, admitiu: - Nosso erro foi termos nos comunicado mal.
Mais posts