Sobre                        Contato                        Arquivo

O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula

José Roberto Afonso, 04/07/04

Para avaliarmos quanto foi de fato o aumento do salário mínimo devemos levar em consideração a variação dos preços entre os períodos onde foi concedido o reajuste do mínimo.

Há consenso de que o melhor índice para medir a variação do custo de vida dos trabalhadores que ganham salário mínimo é o INPC do IBGE.

Levando em consideração tal índice é inequívoco que o Governo FHC obteve melhor performance que o Governo Lula.

Entre maio de 1995 e abril de 2002, o salário mínimo dobrou: passou de R$100,00 para R$200,00. Ou seja, houve um aumento de 100% do mínimo, sem considerar os efeitos da inflação.

Nesse mesmo período, os preços variaram em 67,6%.

Confrontando a variação do salário mínimo com a inflação, verificamos que o aumento nominal do mínimo concedido ao longo de todos os anos do governo FHC (100%) foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em virtude da inflação (67,6%) e ainda sobraram recursos, o que significa que tais trabalhadores tiveram um ganho real de 19,3%.

Já nos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula – em abril de 2003 e maio de 2004 – também foi observado que o aumento nominal do mínimo também foi capaz de repor as perdas sofridas pelos trabalhadores em razão da inflação, mas o ganho real foi bem modesto se comprado ao proporcionado pelo Governo FHC.

Através dos dois reajustes de salário concedidos pelo Governo Lula (em abril de 2003 e maio de 2004), o salário mínimo passou de R$200,00 para R$260,00, o que representou um aumento de 30% nominal. Porém, a variação dos preços acumulada no período anterior ao reajuste (entre abril de 2002 e maio de 2004) – 26,77% - foi quase da mesma magnitude do aumento nominal do mínimo, o que significa que os trabalhadores obtiveram um ganho real de salário relativamente pequeno – cerca de 2,55%.

Em resumo, no Governo FHC o salário mínimo, avaliado a preços de maio desse ano, passou de R$212,5 (maio de 1995) para R$253,5 (abril de 2002), o que representou um ganho de 19,3% para os trabalhadores. No Governo Lula, os R$253,5 herdados do último reajuste concedido pelo seu antecessor se transformaram em R$260,00, representando um ganho real de apenas 2,55% para os trabalhadores que ganham salário mínimo.


Gráfico 1
O aumento do salário mínimo nos governos FHC e Lula
image
Fonte: Tabela 1


Tabela 1
Os aumentos de salário mínimo nos Governos FHC e Lula

image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
(A) = Inflação acumulada entre os meses de reajuste do mínimo (INPC)
(B) = Aumento nominal do salário mínimo
(C) Aumento Real do salário mínimo


Tabela 1A
Salário Mínimo Nominal e Real nos Governos FHC e Lula
image
Elaboração Própria. Fonte Primária: Ipeadata
1/ A preços de maio de 2004. Valores atualizados pelo INPC.

economia ·
Enviar   Imprimir  

Corrupção de Sarney a Lula

image O ebook Corrupção de Sarney a Lula pode ser baixado gratuitamente em três formatos: PDF (para imprimir), EPUB (para iPad) e MOBI (para Kindle). Uma versão em inglês (capa acima) está a venda na Amazon.com.

Posts recentes


O placar do impeachment

As provas e argumentos jurídicos são importantes, mas o que decide o impeachment, você sabe, são os votos dos deputados e senadores.

A volta do formador de opinião

A classe média no sofá, de fato, não muda opinião de ninguém. A classe média aos milhões na rua muda muito. É só ver onde a popularidade de Dilma, Lula e seu partido foi parar depois dos protestos.

Terceiras vias

Não duvido que exista uma maioria social conservadora no Brasil. Mas duvido que ela venha a desembocar numa terceira via política. Acho mais fácil que desague em diferentes partidos, existentes ou que venham a ser criados.

Sozinha

63% dos que estavam na manifestação da Av. Paulista na sexta-feira, 13 acham que Dilma Rousseff sabia do Petrolão.

Contrição

Ricardo Berzoini, em entrevista à Folha de S.Paulo, admitiu: - Nosso erro foi termos nos comunicado mal.

Depenada

Se e quando vier o impeachment, será só para tirar o cargo de Dilma. O poder ela está perdendo dia a dia, numa velocidade espantosa.

FHC não vê saída

"Nós já vimos outras fases assim, quando os governos vão cozinhando em fogo brando. A novidade é que a sociedade esta mais inquieta, mais ativa. Se os partidos e os líderes políticos não responderem, eles perdem força."

Dilma agora pede razões para o ‪‎impeachment‬

Aí vão três: ela sabia do Petrolão e não fez nada para parar; 2) ela se beneficiou do esquema como candidata e fachada de Lula; 3) ela não as mínimas condições de reverter o desastre econômico que ela e Lula provocaram.

A lista de Moro

Por falar em organização criminosa, lembrem-se que o chefão não entrou na lista do Janot porque não precisava. Como ex-presidente, ele não tem fôro privilegiado.

Lambe e morde

Lula e sua turma recorrem ao mesmo método que usaram no mensalão para plantar dúvidas e confusão no campo do adversário.

Duas perguntas

Pelo menos duas suspeitas, se comprovadas, podem dar base legal ao impeachment de Dilma: Ela sabia do petrolão? Foi beneficiada?

Alívio ou maldição?

Dilma foi excluída da lista de Janot, não por falta de indícios de culpa, mas por uma tecnicalidade: enquanto for presidente, ela não pode ser investigada por atos anteriores ao seu mandato.

Grosseira

Dá para entender por que Dilma se incomodou com a declaração de Joaquim Levy sobre o fim de desonerações tributárias. Foi ela que promoveu as tais desonerações. Mas como desfaze-las sem admitir que foram mal feitas?

A Grécia vai ou fica?

A União Européia impôs à Grécia sacrifícios insuportáveis. Mas abrir negociação com o novo governo grego pode ter um efeito-demonstração complicado, agravando a incerteza sobre o futuro do Euro. Justiça, nesses casos, não costuma ser a maior preocupação de quem detém o poder
Mais posts